Vida de Bebê

Experiência com meu Bebê no Iguatemi Alphaville

iguatemi-300x116

No dia 28/04 foi inaugurado o esperado Iguatemi Alphaville. Para nós e muitas outras pessoas que precisam ir para São Paulo para fazer esse tipo de passeio.

No sábado fomos até lá e gostamos do que vimos. Um shopping amplo, claro, bem decorado e com boas lojas e restaurantes.

Terça, 03/05, pela manhã fui até lá com o Gustavo (meu filho de 2 anos). Coloquei ele no carrinho e fui até um elevador. QUEBRADO. Uma pessoa me indicou outro elevador.

Precisava passar no fráldario antes, pois tinha que trocar a fralda do Gustavo. Então desci no Piso Rio Negro (piso do fraldário). Dei uma volta e só encontrei escadas. Voltei para o elevador e encontrei uma outra mãe sozinha, com um bebê de 1 mês com o mesmo problema: encontrar o fraldáro.

Subimos para o primeiro piso, das lojas (de onde ele estava vindo, álias). Procuramos um segurança e eles nos indicou o mesmo elevador. Depois de explicar 5x que por aquele elevador, não achamos acesso algum que não fosse por escadas, ele disse que poderíamos usa-lás!!!!  Nossa, que genial!!!

Explicamos mais umas 2x que seria ruim e perigoso descer com os bebês, carrinhos e sacolas pela escada e até por isso, não era permitido. Parece que ele entendeu  e nos levou ao outro elevador. E adivinhem qual era???? O elevador quebrado!

Ele tentou comunicação com a “Central” através do ponto eletrônico e depois de 10 minutos esperando, resolvemos andar e tentar achar uma outra maneira. Ele deu outra idéia brilhante: poderíamos deixar os carrinhos ali, descer e depois subir para pegá-los. Por favor!!!!

Viramos as costas e descemos com eles pela escada, junto com os carrinhos. O bebê, de 1 mês, dá outra moça já estava aos berros e ela precisava amamentá-lo.

Já não estávamos com muita paciência para pedir informação e não achamos o fraldário. Descemos mais um piso e encontramos uma área com sofás. Fizemos as coisas ali mesmo. Um segurança que estava ali e não entendeu nada, veio conversar e explicamos o que havia ocorrido. Ele pediu desculpas pela falta de informações e disse que o fraldário era escondido mesmo. Ele até pediu a fralda do Gustavo para jogar fora.

Subi para o andar onde supostamente seria o fraldário (quase cai na escada rolante, por acaso) e fui em busca de um elevador que me levasse ao piso das lojas. E adivinhem?? Encontrei o fraldário!! Bem escondido mesmo,álias, não me lembro ter visto nenhuma placa indicativa. Também encontrei o único elevador do andar, mas era aquele elevador quebrado do começo da narrativa.

Fui até o balcão de informações, expliquei a situação e perguntei o que elas me sugeriam. Claro que elas ficaram um tanto sem graça. A moça que me atendeu chamou um segurança e pediu que ele me ajudasse com o carrinho. Ela foi muito prestativa.

O segurança, com simpatia zero, disse que deveria comunicar a central para ver qual seria o procedimento que ele deveria adotar.

Agora, qual a melhor resposta para o comentário acima (momento Kibe Loco):

a) A Senhora não teria uma babá ou algum parente que pudesse acompanhá-la nas visitas a esse shopping, para auxilia-la nesses casos?

b) Me desculpe Senhora, mas vocês devem esperar nesse andar até que o elevador esteja funcionando.

c) Não é problema meu.

Depois de uns 2 minutos, ele me ajudou a subir com o carrinho.

Agora a pergunta que não quer calar: como um shopping, desse nível, não consegue ter pessoas minimamente informadas sobre a localização dos serviços e de como agir em uma situação dessas? Talvez devessem ter dado 1 semana a mais de treinamento para os funcionários, antes de abrir as portas.

A única maneira, desde o início, era do segurança ter se oferecido para nos ajudar com os carrinhos. Não tinha outro jeito. E vocês não imaginam a cara de quem não tinha a mínima idéia de onde era o fraldário e do que fazer que o coitado do segurança estava.

Imaginem uma situação de emergência!!!!

Entendo que o shopping abriu há menos de uma semana e que um elevador com problemas seja uma situação normal, mas isso não é desculpa para o que aconteceu. Mesmo porque, a cobrança de R$6 do estacionamento, por 1 hora que fiquei no shopping fazendo compras, funcionou muitíssimo bem.

Sinceramente, me senti ofendida e constrangida com a situação e acredito que a outra mãe também tenha tido esse sentimento.

Se eu disser que não voltarei ao Iguatemi Alphaville, estarei mentindo, mas eu esperava mais do tratamento que tive, e pensarei muito antes de voltar lá sozinha com meu filho.

E para quem precisar, o fraldário fica no corredor que vai a Tok Stok, no mesmo piso do Ráscal, do Bradesco….do lado esquerdo.

Bjs,

Vanessa

4 comments

  • Absurdo essa situação. Engraçado que só percebemos o qto é precário os serviços para bb qdo precisamos dele.
    Aqui na minha cidade existem N estabelcimentos publicos que nem onde trocar um bb tem.
    Isso sem contar qdo chegamos na fila do elevador, cheia de tranqueiras (carrinho, sacola…) e as pessoas que estão lá esperando o elevador (sei q todos tem direito a usar, mas quem pode usar a escada rolante poderia dar prioridade a quem precisa do elevador) nem olham na sua cara e entopem elevador a dentro deixando vc pra tras.. Afff.. tenho raiva, viu?

  • Pois é também estranhei como esse shopping recém inaugurado, foi tão mal estruturado, quando o assunto é elevadores.
    Estão sempre quebrados ou ocupados com prestadores de serviços, no meio do estacionamento, e não na área fechada perto das escadas, no meio do cheiro dos carros, bem difícil.
    Graças a Deus não precisei do fraldário e gostei do último piso, a área do Play é bem legal.

  • Imagina que ele devem pensar que damos trabalho ai temos que andar com nossos filhos sempre com baba, mae , pai ,tio. Imagina so quem mora em cidades diferentes nao tem baba tem que fazer tudo sozinha.Onde estar liberdade de termos que cuidar de nossos bb no shoping sozinhas:(

  • Adorei tudo. Obrigada pelas dicas.

Participe da discussão

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *