Vida de Bebê

O Transtorno do Espectro Autista – TEA

Quando se fala em “criança autista” a primeira coisa que nos vem à cabeça é a imagem de uma criança que não se comunica, brinca e age de forma estranha e vive isolada em seu próprio mundo.

Infelizmente, essa visão estereotipada continua dominando mesmo os consultórios médicos e estão longe de definir tudo que esse transtorno engloba.

Mas o que é o autismo?

O autismo é uma disfunção global do desenvolvimento. É uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização (estabelecer relacionamentos) e de comportamento (responder apropriadamente ao ambiente — segundo as normas que regulam essas respostas). Esta desordem faz parte de um grupo de síndromes chamado transtorno global do desenvolvimento (TGD), também conhecido como transtorno invasivo do desenvolvimento (TID). Fonte

Os transtornos de espectro autista, como são denominadas hoje, estão dentro de uma gama imensa de possibilidades: desde casos com traços leves (onde crianças se comunicam normalmente), até os casos mais graves (de isolamento e dependência quase que total), passando por diversos graus intermediários.

Os sintomas do espectro autista, afetam basicamente três áreas: socialização, comunicação e comportamento. O que não significa que uma pessoa que esteja dentro do espectro não possa falar ou se relacionar com as pessoas. Muitos são os casos em que os traços são tão leves, que você jamais imaginaria que “aquela” pessoa possui tal transtorno.

Pesquisando, também descobri que além do autismo clássico, em que geralmente a criança já nasce com ele, existem outros dois tipos: o autismo regressivo (onde a criança apresenta traços leves, desenvolve algumas habilidades dentro  do marco de desenvolvimento da idade e em um determinado momento começa a perder tudo o que havia desenvolvido até o momento) e o autismo súbito (onde a criança, até, aproximadamente 1 ano e 6 meses, se desenvolve de maneira normal, e de repente, em um curto espaço de tempo, começa a apresentar os sintomas).

Embora os estudos mais aprofundados sobre esses transtornos sejam recentes, não é incomum, uma mãe chegar ao pediatra, relatar diversos sintomas e comportamentos, que se encaixam dentro do espectro, e ouvir coisas do tipo: “Imagina, se seu filho fosse autista, eu reconheceria na hora”, ou “De jeito nenhum, olha como seu filho interage com as pessoas!”

Esse tipo de coisa, em conjunto com o preconceito e a ignorância das pessoas, infelizmente, só trazem malefícios as pessoas que precisam de ajuda, pois contribui muito para que os pais não aceitem o diagnóstico e se recusem a buscar a intervenção correta: seja ela medicamentosa ou somente através de terapia.

No caso de crianças com sintomas do espectro, esperar, é perder tempo!

Os sintomas do espectro autista costumam aparecer antes dos 3 anos de idade e um diagnóstico precoce e o tratamento efetivo podem mudar a vida da criança. Quanto mais tarde se iniciam as intervenções, mais difícil fica lhe dar com os sintomas. Por isso, é essencial acompanhar a primeira infância de seu filho com muita atenção.

Embora cada criança tenha “seu tempo”, quando alguns comportamentos básicos desse período não acontecem ou acontecem de forma peculiar, você deve sim, ficar atento.

Geralmente, as mães são as primeiras que percebem que algo não está se “encaixando”, enquanto o resto do mundo diz que você está procurando “pelo em ovo”. E o que fazer? Simples, na dúvida, procure um profissional especializado (que eu duvido que seja seu pediatra). Muito melhor pecar pelo excesso do que pela falta.

Na nova novela da globo, Amor a Vida, uma das personagens, Linda,  é uma menina autista e pelo pouco que vi, deve se encaixar no autismo clássico e mais severo clássico, pois ela parece bem comprometida.

Um documentário que eu recomendo muito, é o “Autismo – O Musical”, que conta  como foram os 6 meses de 5 crianças autistas ensaiando para apresentar um musical.  Foi produzido em 2007 e tem 93 min de duração.

Além de emocionante,o documentário mostra como as crianças são diferentes, apesar de um diagnóstico em comum. Vale a pena.

No Youtube, o documentário está dividido em  algumas partes e está em inglês – AQUI. Para quem tem HBO, o documentário ia passar no dia 26/06/2013 ás 06:00 no Cinemax e depois no dia 08/07/2013 ás 20:00 na HBO Family. Se você fizer o cadastro no site da HBO, pode receber lembretes dos dias e horários.

Vocês devem imaginar o quão vasto é esse assunto e eu poderia ficar dias escrevendo mais e mais e mais….Mas como isso não é possível, mesmo porque nem sou especialista no assunto, espero que essa pequena introdução, ajude as pessoas entenderem um pouquinho mais sobre o assunto, para que não sejam mais preconceituosas ou que, de repente, possa ajudar alguém a identificar algum sintoma em alguma criança da própria família.

Bjs,

Vanessa