Vida de Bebê

Dentista com crianças – Jundiaí e Campinas

postdentista

Há 3 semanas descobri que precisaria levar o Gustavo ao dentista e fuçando meus posts, descobri que nunca havia escrito sobre o assunto.

A primeira vez que o Gustavo foi ao dentista ele tinha 2 anos e meio. A dentista fez uma limpeza básica e aplicou flúor. Não foi fácil mexer na boca dele, ele saiu bravo do consultório, mas o resultado foi positivo.

Depois, com a correria, fui adiando a visita seguinte e ele só voltou ao dentista aos 4 anos! Já estávamos morando em Campinas e gostei bastante da dentista – Dra Nilcéia! Ele ficou super bem, não tinha nenhuma cárie. Fez a limpeza, passou flúor e recebemos umas algumas dicas de escovação.

Gostei muito da dentista e o contato dela está na página do LM Indica.

Claro que fiquei enrolando pra levá-lo novamente! E há 3 semanas, vi que um dente permanente da parte debaixo estava nascendo e nenhum dente de leite estava mole.

Pesquisei no “Dr. Google”, e descobri que ele teria que extrair o dente de leite. Mesmo sabendo que só o Dentista, depois de ver o Gustavo,  me diria o que deveria ser feito fiquei apavorada e angustiada.

O Gustavo tem pavor de agulha. Vacinas e exames de sangue são eventos traumáticos e tenho que me preparar por semanas. Não estou exagerando! É péssimo.

Comecei uma busca por dentistas em Jundiaí que trabalham com sedação e posso dizer que foi uma experiência bem negativa. Visitei 2 dentistas:

– A primeira (foi uma indicação), muito simpática, fez uma boa limpeza nos dentes do Gu e conversamos bastante. Ela elogiou bastante os dentes do Gustavo.

Ela disse que não trabalhava com sedação e que entendia minha situação, porque a anestesia doía muito e que depois ele poderia nao deixar ela arrancar o dente.

Combinamos dela me entregar uma carta de encaminhamento para uma profissional que ela conhecia e que trabalhava com sedação.

Meu alívio durou pouco. Peguei a carta, liguei no consultório, e a secretária me disse que aquela médica não trabalhava.

– A segunda (também uma indicação), foi algo surreal.

Super atenciosa, me explicou várias coisas por telefone, antes da consulta e ela realmente trabalhava com sedação há 20 anos. Parecia ser perfeita!

A consulta durou mais de 1 hora e ela ficou falando sobre mil coisas, menos sobre o motivo da nossa ida ao dentista. Como era quase hora do almoço, o Gustavo já estava super irritado (e com razão) e ela me explicou sobre o processo nos últimos 10 minutos!!

Sai de lá bem confusa e só umas 2 horas depois, me toquei que eu jamais levaria meu filho para fazer qualquer procedimento com aquela pessoa. Não que ela não fosse uma boa profissional, mas foi uma consulta muito esquisita e eu não me senti segura.

Nessa altura do campeonato, esse assunto já estava acabando comigo. Não sabia mais onde pedir indicação e não via a menor possibilidade de um dentista aplicar a anestesia na boca com ele acordado.

Depois das frustrações em Jundiaí, resolvi procurar em Campinas. Ligue para a clínica onde ele faz terapia e me indicaram 2 profissionais: uma dentista de Jundiaí e um dentista de Campinas.

Pela facilidade, tentei primeiro a dentista de Jundiaí: Dra Adriana.  Ela trabalha com sedação e parece que atende crianças especiais (vou colocar o telefone no LM Indica). Quando liguei, a secretária me disse que eu teria que entrar na lista de espera para o final da semana seguinte e aceitei.

Como eu estava muito ansiosa, resolvi ligar na indicação que elas me deram de Campinas, Dr. Gabriel Tilli Politano (contato no LM indica) e consegui uma consulta para o dia seguinte, uma sexta-feira (que seria o dia ideal para arrancar um dente!).

A clínica fica no Cambuí e é bem legal. Tem uma brinquedoteca bacana, mas o Gustavo nem teve tempo de brincar. Fomos atendidos em menos de 10 minutos – foi o tempo de preencher um questionário.

Eu diria que entre entrar, conversar com ele e sair do consultório com o dentinho nas mãos, foram 20 minutos.

O Dr Gabriel é muito legal! Mas não acreditei quando ele disse que arrancaria o dente sem sedar o Gustavo. Cheguei a dizer que eu apostava que ele não conseguiria. E ele foi lá, anestesiou a boquinha do Gustavo (que não viu a agulha), como se nada estivesse acontecendo e pronto.

Ele nos tranquilizou muito, disse que a anestesia não iria doer nada e que seria bem rápido.

Superou qualquer expectativa. E, novamente, não estou exagerando. Vocês não imaginam como o Gustavo é sensível.

Nem preciso dizer que o indico de olhos fechados!!!

Na próxima semana, voltaremos na Clínica, porque outro dente está nascendo e o da frente está super duro e mesmo sendo chato ter que ir para Campinas, eu nem penso em levá-lo em outro lugar!

Por isso, se você passando por esse tipo de situação:

1- Com o Gustavo não existe psicologia no mundo que o convença que uma picada de agulha irá doer só um pouco. Se seu filho for assim, faça como eu, nem conte que para anestesiar o dentista terá que usar uma agulha.

Se eu tivesse contado, ele chegaria super ansioso, chorando e nem abriria a boca. Seria mais um escândalo homérico!

2 – Você precisa se sentir segura (o) no profissional que está levando seu filho. Se a experiência for traumática da primeira vez, provavelmente, todas serão. Imagine se for traumática e não der certo?

Não desanime na busca por um bom profissional. Vá em quantos achar necessário. Pesquise, busque indicações.

3 – Tente não passar sua angustia para seu filho. Se, assim como eu, você for muito ansiosa, leve o marido junto. Nesses momentos, eles costumam ser mais racionais e ainda distraem as crianças enquanto você está quase surtando!!!

Para encerrar esse post, gostaria de dizer que levar as crianças ao dentista é super importante, mas infelizmente, é algo que sempre deixamos para depois.

Cuidar da saúde dos dentinhos dos pequenos é fundamental. Ensinar seu filho a escovar os dentes desde cedo é super importante. Mas tão importante quanto, é saber que você deve fazer uma revisão da escovação sempre que puder e principalmente, a noite.

Eu deixo o Gustavo escovar os dentes durante o dia, mas com frequência, eu faço uma escovação adicional. E a noite, mesmo que ele escove, todos os dias, eu escovo novamente. Dá trabalho, mas é muito melhor do que ficar tratando as cáries depois!!!

 

 

 

 

 

Participe da discussão

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *