Papo de Mãe

Porque decidi viver sem uma empregada doméstica

postempregadasdomesticas

Antes de começar a escrever, gostaria de deixar bem claro que não estou criticando toda ma categoria ou dizendo que nenhuma empregada doméstica é boa. Estou somente relatando a minha péssima experiência com as pessoas que contratei.

Cansei de procurar por uma boa empregada doméstica. Mas o que é uma boa empregada doméstica pra mim? Uma pessoa comprometida, que conhece seus direitos e que cumpre os seus deveres. Que sabe que tem horário para entrar e para sair. E que entende, que seu trabalho é como qualquer outro e que você precisa se esforçar, saber ouvir e melhorar sempre!

Será que é pedir muito?

Sou uma pessoa super legal e flexível. Não sou chata, não fico “pegando no pé” e mesmo assim, não consegui encontrar uma pessoa comprometida com seu trabalho.

Comecei minha busca por uma boa faxineira. Não deu certo. Há 2 meses, por causa do acúmulo de tarefas, resolvi contratar uma empregada doméstica. Foi uma decepção atrás da outra.

Eu entendo que os funcionários domésticos em geral sempre foram muito explorados, sem direitos como trabalhadores que são. Mas espera, isso mudou! Agora as empregadas domésticas tem seus direitos garantidos. Só que, infelizmente, parece que elas querem usufruir dos direitos, sem assumir a responsabilidade dos deveres.

Existem sim, muitas patroas chatas, que querem explorar, mas também existem muitas que, como eu, estão dispostas a fazer de tudo para que haja uma convivência harmoniosa, onde existe respeito e cooperação. Afinal, é uma relação proveitosa para ambos! Mas nem assim a coisa está andando!

E outra, imaginem se todo mundo que tivesse patrão chato, pudesse se dar ao luxo de fazer o trabalho mal feito ou pedir demissão?

Durantes essa busca, eu ouvi muitas coisas – nas entrevistas e no período de experiência – que chamaram minha atenção. Frases como:

“Nossa, mas sua casa tem muito pó. Assim não dá!” (2 semanas de experiência)

“Nossa, mas sua casa é grande. Eu acho que não vou dar conta. Mas não posso ficar parada.” (entrevista)

“Quanto eu vou receber líquido? Você pode fazer a conta para eu ver se compensa?” (entrevista)

“Essa não é minha primeira opção de emprego, mas preciso trabalhar.” (entrevista)

“O horário é até as 17:00? Porque aqui, o ônibus passa lotado. Sair até umas 15:00 ainda é bom, depois não dá!” (entrevista)

“Eu trabalhava em uma casa com 43 cômodos, parava as 10:30 para cozinhar e dava conta de tudo, sem nenhum outro funcionário!” (Hein???? entrevista)

“Você é muito detalhista.” (Depois de pedir que ela enrolasse a mangueira direitinho, para não ficar toda ressecada e torta e pedir para ela levantar os poucos enfeites que tenho, para tirar o pó) (30 dias de experiência)

Depois de ouvir essas coisas, eu fiquei me perguntando: quem vai em uma entrevista de emprego e fala esse tipo de coisa? Quem sai 2 horas mais cedo do trabalho porque o ônibus passa cheio? Quem faz todo o trabalho correndo, porque acha que quando terminar aquele, vai poder ir embora?

Mesmo para quem nunca trabalhou fora, não é difícil de imaginar que não é assim que as coisas funcionam!!!

Comecei a ficar muito estressada. Passava o dia supervisionando as coisas. Afinal, você está pagando um funcionário, e você sempre espera o melhor dele. Pelo menos boa vontade e empenho.

Mas, infelizmente, não é isso que está acontecendo com muitas domésticas. Elas fazem tudo de qualquer jeito, querem sempre sair mais cedo e claro, nunca estão satisfeitas com o trabalho, com o salário, com o patrão.

Comecei a achar que o problema era comigo, até desabafar em um grupo de mães que temos aqui no condomínio. Dezenas de mães estavam enfrentando o mesmo problema: falta de empregadas domésticas qualificadas. Muitas, inclusive, depois de muito estresse, haviam desistido de ter uma funcionária todos os dias.

Não consigo entender onde essa relação não está dando certo. Precisamos de alguém para nos ajudar em casa. As empregadas domésticas precisam trabalhar. Era uma relação que teria tudo para dar certo!

Por essas razões, resolvi que, mesmo tendo que abrir mão de algumas coisas, vou ficar com uma faxineira, duas vezes por semana.

Minha casa é grande. Tenho um filho de 6 anos e 3 cachorros!

As pessoas me falam que é loucura ficar sem uma funcionária todos os dias. Que eu não vou dar conta de tudo. Talvez elas estejam certas.  Mas chega um momento em que você precisa decidir alguma coisa.

O que não dá, é contratar alguém, ser super legal, ajudar, ter o trabalho de fazer a documentação correta todos os meses e sentir que essa pessoa não está nem aí para a sua casa e para a sua família.

Em Campinas eu tinha uma funcionária em casa todos os dias. Ela realizava as tarefas básicas, só não cozinhava (algo que foi definido assim que a contratei). Ela era ótima e nos dávamos super bem! Se ela já teve vontade de me enforcar? Provavelmente! Mas a relação sempre foi de muito respeito.

Sempre fui uma pessoa super legal, nunca fui de pegar no pé, sou super flexível. Além disso, minha casa não é difícil de limpar.

Infelizmente, parece que muitas não estão dispostas a assumir sua função . Assumir, que não é porque elas trabalham dentro de uma casa, que podem fazer tudo de qualquer jeito, que podem fazer tudo correndo para sair mais cedo, que podem se dar ao luxo de ignorarem o patrão. Imagina se todo funcionário não aparecesse mais no trabalho, porque no dia anterior levou uma “chamada” do patrão?

Ah! No meio de todo esse caos, me indicaram uma faxineira muito boa! Super esforçada! Ela veio duas vezes na semana passada e deixou a casa ótima.

Se alguma empregada doméstica estiver lendo isso, por favor, faça uma reflexão sobre seu trabalho. Sobre como você está executando seu serviço. Como você pode melhorar. Converse com seu patrão (patroa), fale se algo não te agrada, pergunte onde você pode melhorar. E lembre-se, você é um funcionário com direitos que devem ser cumpridos e com deveres que devem ser bem executados.

Se você é a patroa, pense em como pode melhorar sua relação com sua funcionária. Ofereça um bônus se ela é esforçada. Deixe-a motivada. Não explore seus funcionários.

E você? Está tendo problemas com alguma funcionária na sua casa? Conte sua experiência nos comentários.

Depois eu volto para contar como está sendo minha rotina.

Bjs,

Vanessa

 

15 comments

  • Como está sendo ficar sem ajuda? Tem uma rotina que funcione? Estou em busca dessa independência. :-)

  • Oi Sinara! Tudo bem? Estou terminando um post super legal sobre como está sendo essa experiência!! Bjs

  • Vanessa aqui também optei por não ter mais empregadas, porém minha última experiência foi muito boa. Sueli (esse é o nome dela) ficou comigo por longos 6 anos, e ajudou-me muito com meus filhos. Minha filha adora ela até hoje, e já tem 7 anos que ela saiu. Nos falamos sempre, e vez em quando nos visitamos.
    Minha decisão foi devido a problemas financeiros e posteriormente não mais encontrei ninguém com boa vontade para o trabalho, então, como você, desisti.
    Hoje acredito que tomei a decisão certa. Minha casa é um caos (tenho uma criança com 4 anos) mas pelo menos não tenho ninguém estranho dentro de casa.
    Vou fazendo o que consigo, e tentando desenvolver um empreendimento artesanal para ter uma renda e dar a assistência que essa minha pequena necessita. Ela é cardiopata, e mesmo assim super ativa. rsrsrsrs…
    Faço parte de um grupo no Yahoo (não sei se posso comentar sobre, então se quiser pode deletar) que muito me ajuda com dicas e produtivas discussões sobre os trabalhos domésticos. O grupo é o FLY. A interação por lá é ótima e a ajuda vem de todas.
    Forte abraço e força! Faça um pouco de cada vez que você consegue.
    Andrea Zapparoli

  • OI Vanessa… adoro seu blog! Gostei da abordagem… “era uma relação que teria tudo para dar certo”… pessoas de um lado que precisam muito de uma ajuda na manutenção da limpeza da casa, de uma ajuda com os filhos e do outro, pessoas que precisam trabalhar”. Sempre pensei assim. Tenho uma filha de 1 ano e meio. Já com 7 meses coloquei na escola meio período. Trabalho em horário fleixível. Arrumei uma pessoa por indicação de uma outra de muita confiança de minha sogra. Eu ainda estava de lincença maternidade. Não deixaria minha filha com alguém assim de cara, sem conhecer. Fiquei com ela todos os dias por 3 meses. No começo, aquela MARAVILHA!!! Fazia até o que não era para fazer. Logo no terceiro mês, já começou a relaxar. Já não fazia direito as coisas, sempre pedia dinheiro adiantado… Ela teria direito a férias a partir de outubro, mas em julho chegou dizendo que sua filha pegaria férias na primeira quinzena e que também precisaria de férias e de dinheiro adiantado. Eu e meu marido claro, não gostamos mas cedemos… demos os 15 dias de férias, pagamos… coloquei minha filha por período integral na escola.
    Então na volta das férias, a “dita” disse que não olharia mais minha filha (era dia sim/dia não das 8:30 – horário que ela chegava até as 12:30 no máximo) e que também não trabalharia todos os dias… só de segunda, quarta e sexta…. sem redução salarial. Como você, Vanessa, nunca fui uma patroa ruim, pelo contrário, meu marido sempre me repreendia, dizendo que parecia que ela era a patroa. NUNCA pedia a ela que limpasse nada, nunca discuti…. o horário era das 8:00 as 16:00 hrs. Ela NUNCA cumpriu esse horário, inclusive no último dia em que trabalhou antes das férias, deixou várias roupas de molho em um balde e saiu as 13:00. Então eu que já tinha perdido aquele medo de deixar minha filha na escola o dia todo, achando que judiaria, passei a me arrepender por te-la deixado com uma pessoa assim. Minha filha melhorou muito ao ter uma rotina na escola, passou a comer bem, coisa que com ela nunca ocorria, pois nós mães sabemos o quanto é preciso ter paciência e quantas “cuspidas” as crianças dão mas se insistirmos, acabam comendo tudo! Hoje estou somente com uma faxineira muito boa duas vezes por semana e estou muito satisfeita! Dispensamos a outra, tivemos que pagar a multa, perdemos o dinheiro das férias, que ela recebeu e não tinha direito. Só espero que como se trata de uma pessoa com má indole, não tenha feito nada com minha filha em minha ausência! Bjs…

  • Estou quase desistindo de ter uma empregada.Não tenho tido sorte nos últimos meses.Falta qualificação e humildade para aprender.So querem direitos e esquecem os deveres.A última que passou por aqui disse que eu era muito exigente porque havia falado que não queria que ficasse grudada no celular durante o horário de trabalho.Piada!

  • Pois é, por essas razões e por causa da crise que desabou sobre a renda familiar, não tenho mais NINGUÉM. Nem faxineira, nem empregada, nem carro! Pelo menos, se eu chegar em casa e a casa estiver suja ou não tiver uma comidinha, já sei de antemão, não gastei meu rico dinheirinho, nem tenho que tomar satisfação. No início foi difícil, tenho 2 filhos pequenos e muitas tarefas. Mas hoje, ainda que fique cansada, estou menos estressada.

  • Olá Vanessa… é ótimo dividir essas experiências! Fiquei meses sem empregada, desisti porque não encontrei alguém com comprometimento com a minha casa e família. Segundo, porque não aguentava uma pessoa estranha o tempo todo na minha casa, escutando os problemas, se intrometendo na nossa vida, na minha sombra o dia todo. Assim como você, quando meu primeiro filho nasceu, parei de trabalhar para dedicar a ele atenção total. Quando estava sem doméstica, a minha casa ficava o dia todo bagunçava. Tenho um filho de 3 anos e outra de 1 ano e 8 meses. Todo mundo achava que eu estava louca, que deveria contar com uma ajuda. A começar pelo meu marido. Mas eu estava cansada, mas menos stressada. Acabei tendo que contratar uma doméstica há duas semanas por insistência do meu marido, que chegava em casa e via as coisas ainda por fazer, eu cansada, a roupa sem passar. Moro em apartamento e mesmo assim é muito difícil conciliar o trabalho de casa com a atenção das crianças. No momento eu que eu estava realizando alguma atividade, as crianças estava sem atenção ou assistência nenhuma. Aceitei novamente ter uma pessoa para dar atenção devida aos pequenos. Nessa idade, ainda não conseguimos envolvê-los na atividade do lar. E percebi que eles me viam o tempo todo trabalhando e já estavam até adquirindo algumas “manias” de limpeza. Hoje, só consegui escrever aqui e ler o seu blog porque tem alguém passando roupa para mim. Mas ainda tenho o ideal de dar conta de tudo sozinha, simplificar a cada dia nossa vida e usar esse dinheiro (quase R$ 2.000,00 por mês) destinado a funcionária para viajar com as crianças.

  • Olá Claudia,

    Adorei seus comentários!

    Realmente, dar conta de tudo é muito difícil!!!Eu mesma, tive q contratar uma pessoa por 3 dias (até preciso escrever sobre isso!), porque eu estava muito e não estava dando conta de uma casa grande, 1 filho e 3 cachorros!

    E como vc disse, no fim não sobra tempo para as crianças!!

    Adorei vc ter falado sobre guardar o dinheiro destinado à uma funcionária, para viajar, faz todo sentido!! Mas tb não podemos nos sobrecarregar, né! Com o tempo, as crianças crescem, ficam mais tempo fora e começam a fazer a sua parte e isso nos deixa mais tranquilas!

    Boa sorte!!

    Bjs,
    Vanessa

  • Cara Vanessa,

    Lendo seu blog senti como se eu o tivesse escrito. Mas meu caso parece ser ainda pior, pois quando optei por não ter mais doméstica, passei a não ter sorte com faxineiras. Elas começam e desistem rápido, sem me dizer o motivo. Para a ultima, ofereci mais do que ela ganha nas outras casas e ela “ficou de pensar”. Depois, me deu a típica resposta: ” não vai dar”. Estou começando a tentar criar uma rotina e fazer tudo sozinha, com a ajuda apenas do meu marido.

  • Lendo os comentários, percebi que precisam de alguém por não darem conta da casa de filhos sozinhas e até em um dos comentários li que a casa ficava bagunçada e que até a achavam louca de ficar sem empregada. Agora a pergunta é: vcs sabem a diferença de empregada domestica e faxineira? Se vcs não dão conta de tudo, por que acham que a funcionária vai dar? Os trabalhadores domésticos são pessoas normais, pelo que sei nenhum tem super poder, tá certo que em alguns relatos ai existiu abuso por parte da categoria, mas veja bem se vc não dá conta de cuidar de criança, cachorro, comida, roupa e faxina, ela também não vai dar então tem que haver um consenso. EMPREGADA DOMESTICA NÃO É FAXINEIRA, contratem uma vez por mês alguém pra limpar o grosso, experimentem fazer todo o serviço de casa cuidando de criança e cachorro e depois darão valor a esta categoria que esta acabando por causa de pessoas que querem escravos e não funcionários. Conheci uma patroa que obrigava a coitada da funcionária a limpar o azulejo do banheiro com um pote de cândida e escova de dente, e tinha que sair atras do cachorro o dia todo limpando a sujeira e ainda cuidar da criança que estava aprendendo a andar….um abuso, e ainda ficava além do horário sem receber nada a mais por isto.

  • Nisce,

    Acho que na verdade, vc é que não entendeu meu post.

    Concordo que existem muitas casas onde as patroas abusam de suas funcionárias, atitude essa que eu reprovo totalmente.

    No meu caso, eu procurava uma pessoa para cuidar da casa: mante-lá limpa e organizada. Em nenhum momento citei que precisava que cuidasse da casa, do meu filho e dos meus cachorros. Inclusive, na entrevista, eu sempre deixei bem clara todas as atribuições, que não incluíam nem cozinhar. Já que eu tenho total consciência, de que uma pessoa sozinha, não consegue cuidar de uma casa de 400m2, cozinhar, cuidar de criança e cachorros.

    Infelizmente, apesar disso, não consegui, já que elas, mesmo sabendo disso tudo, reclamavam que a casa tinha pó ou que mesmo o horário sendo das 8:00 às 17:00, elas precisavam sair 15:30 para não pegar o ônibus lotado!!! Mas é claro, sem ganhar menos…

    Sinto muito, mas esse tipo de coisa, está longe de fazer sentido pra mim!!!

    Graças a Deus, eu sou uma pessoa boa e jamais conseguiria explorar alguém…Mas também não tenho sangue de barata e não vou contratar alguém para passar o dia na minha casa para ficar reclamando o tempo todo. Eu não queria uma escrava.

    Queria uma funcionária!! Que teria TODOS os seus direitos cumpridos e sua dignidade respeitada, mas que cumprisse seus deveres. E isso, não achei em Jundiaí.

  • Olá pessoal,
    Eu particularmente decidi a não ter mais empregada doméstica, porque elas não querem assumir as obrigações, só esperam por direitos. Nem faxineira eu tenho mais, trabalho fora de 08-12h e de 14-18h, moro com meu marido, minha mãe e meus 2 filhos. Guilherme com 4 anos e Kamilly com 14 anos. O que eu faço: acordo faço o nosso banquete, sem ter que tá pedindo, explicando inúmeras vezes e todos tomam café de qualidade, vou ao trabalho e quando volto para o almoço já venho com as crianças, e só faço esquentar o almoço deixado pronto por mim na noite anterior( isso é maravilhoso, já deixar tudo organizado), todos almoçam, meu filho de 4 anos dorme depois do almoço e quando volto ao trabalho, minha mãe chega do trabalho pra almoçar e meu Gui já fica sob sua supervisão. Minha filha vai para o inglês 2x por semana e quando não vai para o inglês também dorme a tarde. Chego as 18:30h organizo o jantar e o almoço do dia posterior. Lavo tudo, passo pano na sala e cozinha e meu marido quando chega as 19:30h da academia fica com o meu Gui, dar o banho e lá para as 22:30h coloca ele pra dormir. Supervisiono as tarefas das crianças e vou dormir por volta de 22:40h. E digo com toda certeza, EU VIVO FELIZ sem essa gente, que só traz aborrecimentos. E vc? Precisa também ter coragem, só para se ter ideia, vou trocar meu carro no próximo ano, coisa que com elas estava impossível!
    Beijos a todas as mulheres que pensam como eu e para quem não pensa, faça uma análise, você está se aborrecendo e vivendo estressada sem necessidade. Não vale a pena, coloquei na balança e viver sem elas, o saldo é muito, muito melhor. Façam o teste..!

  • Depois me dêem o retorno de suas novas experiências, sem a “dita empregada doméstica” :) !!!

  • Viver sem essa gente pessoal, será sempre a melhor opção!!!

  • :)

Participe da discussão

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *