Procurar

O Cantinho da Calma: um espaço para escutar o que diz o coração

Você já parou para pensar que ao invés de punir e castigar seu filho, pode usar outros meios para educá-lo? Te convido a conhecer o Cantinho da Calma, um lugar que pode trazer muitos benefícios para a sua família.

Não fomos ensinados a reconhecer nossos sentimos, a aceitar que sentimos raiva, medo e ódio; da mesma forma que sentimos amor, ternura, compaixão. Ao contrário disso, fomos ensinados a ignorar nossos sentimentos e seguir, sem pensar nas consequências físicas e emocionais que isso pode causar.

Exatamente por isso, é tão difícil aceitar e acolher os sentimentos dos nossos filhos. Se não aceitamos nem os nossos, como aceitaremos e compreenderemos os deles? Então, hoje eu te convido a fazer uma viagem para o seu interior.

Para refletir:

  • Como você tem se sentido hoje? De verdade! Não adianta responder no automático.
  • Você teve uma boa noite de sono? Gostaria de ter dormido mais?
  • Gostaria de ter mais tempo livre?
  • Quais medos, angustias e frustrações já viveu no dia de hoje?
  • O que você costuma fazer quando se sente frustrado? Com raiva? Com medo?
  • E se você tivesse a chance de parar por 5 minutinhos quando a cabeça estiver fervendo e você estiver prestes a explodir?

A proposta do Cantinho da Calma é exatamente essa. Dar a você, aos seus filhos e demais moradores da casa, um local para esfriar a cabeça. Conectar-se com o que está sentindo e, só depois, voltar para resolver o problema que te deixou tão estressado. Esse espaço pode ser construído e utilizado por toda a família. Pode conter: livros, papel, lápis, canetas, jogos e o que mais a família gostar ou achar que acalma.

O principal diferencial do Cantinho da Calma é que pode ser usado com crianças de todas as idades, mas deve ser utilizado também pelos adultos.

Estudos de neuropsicologia concluíram que quando estamos nos sentindo estressados, ameaçados ou frustrados, acionamos áreas primitivas do cérebro. Dessa forma, acabamos agindo de forma instintiva: atacamos, paralisamos ou corremos. Para desligar o modo instintivo e ligar o modo racional precisamos nos sentir seguros e tranquilos.

O que o cantinho da calma faz, é lembrar nosso cérebro que estamos seguros e podemos relaxar e focar em soluções para os nossos problemas. Outro ponto que é importante ser dito é não confundir Cantinho da Calma com Cantinho do castigo ou da disciplina, ou do pensamento. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, e já já você vai entender porque, baste que olhe com muito carinho, a tabela que elaborei, com as principais diferenças entre eles.

Temos que levar sempre em consideração que conhecimento, educação e aprendizagem é uma porta que se abre pelo lado de dentro. Não temos como obrigar nossos filhos “a se comportar”, a “ser educados”.  Por mais que a gente queira, esse é um processo só deles. Eles irão aprender, mas irão aprender porque compreendem a necessidade de se adquirir aquele conhecimento. Irão aprender porque é do interesse deles amadurecer e encontrar novas possibilidades e formas de existir no mundo.

Temos que ajuda-los a encontrar recursos para expressar aquilo que sentem e desejam de uma forma socialmente aceita. Nossa tarefa como pais é de orientadores, parceiros de caminhada. Nós mostramos o caminho e oferecemos possibilidades. E o cantinho da calma é uma dessas possibilidades. Pois ajuda a criança a aceitar seus sentimentos, acolhê-los e só depois buscar soluções práticas para os problemas cotidianos.

Cantinho da Calma – na prática:

Imagine que você já tem um Cantinho da Calma montado na sua casa e que todos já sabem que esse espaço é para ser usado para se acalmar, antes de resolver um problema.

Sua filha está chorando muito porque não quer escovar os dentes e nada do que você diz para ela faz com que ela se acalme.

Você pode dizer assim:

– Filha, você está muito nervosa, não quer ir até o cantinho da calma e depois que estiver mais tranquila, volta aqui e me diz como faremos para escovar os dentes?

Caso ela resolva ir, espere ela se acalmar e vá até lá e pergunte se ela já está pronta para escovar os dentes ou se quer conversar antes. Caso ela não deseje ir. Diga que você irá, pois está se sentindo muito brava e precisa se acalmar para pensar em uma forma melhor de ajudá-la a querer escovar os dentes.

Dessa forma, ela vai perceber que você está incomoda com a situação e está procurando formas para ajudar a resolver. Além disso, você terá a oportunidade de se afastar da choradeira e conseguirá pensar como calma em novos meios de convence-la a escovar os dentes.

Lembro que o Cantinho da Calma é apenas uma das muitas estratégias que você pode usar com seus filhos para educar sem violência. Para saber mais, continuei acompanhando o canal. Pouco a pouco, vamos falar sobre todas as ferramentas e estratégias para ajudar as famílias a acolherem seus sentimentos e os sentimentos de seus filhos, educando-os com firmeza e gentileza ao mesmo tempo!

Espero que tenham gostado e até a próxima.

Sobre o Autor
  • Letícia G. Gonçalves

    Letícia G. Gonçalves é psicóloga graduada pela UFSCar, consultora em disciplina positiva e está se especializando em Psicologia da Maternidade. Criadora do Blog Conversa entre Marias, atua como psicóloga clínica e consultora educacional, realizando atendimentos online e presenciais.

Compartilhar Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Compartilhar no Pinterest
Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também vai gostar

NewsLetter

Você gestante, tentante ou simplesmente apaixonada pelo universo da maternidade? Então se inscreva aqui e receba gratuitamente nosso melhor conteúdo, preparado especialmente para você.

Licença Maternidade