Procurar

Expectativa X realidade na maternidade

A maternidade que idealizamos no nosso 'projeto' quando engravidamos, é bem diferente da maternidade real, a do dia a dia. Mas sabe de uma coisa? Amamos da mesma forma, mesmo não sendo exatamente como esperávamos!

Olá!

Seja bem-vinda ao canal Papo de Mãe, aqui teremos a participação de muitas mamães falando sobre diversos temas diferentes, do nosso dia a dia da maternidade. Meu nome é Ana Paula Petry, sou mãe do Pietro e da Laura, psicóloga, coach, extremamente apaixonada e encantada pelo universo materno, e também editora do Licença Maternidade. Para começar o canal, quero apresentar um dos temas que eu mais amo falar a respeito, maternidade real.

Compartilho com vocês, com muito carinho, o artigo que escrevi para a Revista Babies, que fala justamente sobre as diferenças entre maternidade ideal e maternidade real, afinal, quando nos tornamos mães, imaginamos que ter filhos é de uma forma, e as coisas vão acontecendo de outra, muitas vezes bem diferente do que esperávamos.

Deixo aqui, um beijo super especial para a Mariana Woj, responsável pela revista, que me permitiu divulgar o artigo aqui no nosso site! Beijão, Mari!

Maternidade ideal X maternidade real

A história acontece, mais ou menos assim:

Você descobre que está grávida, e imediatamente é tomada por um turbilhão de sentimentos, questionamentos, inseguranças, medos, planos. Começa a imaginar mil coisas, pensar no futuro distante, e naquele não tão distante assim.

Pensa em como vai dar a notícia pro papai, pros avós, familiares, amigos, em quando a barriga vai começar a crescer, em como serão as primeiras consultas, exames, ultrassons. E de repente, o seu mundo se transforma, você só vê bebês e gestantes em todo lugar, sua rotina é dormir e acordar pensando neste ser que está dentro de você, o qual você nem conhece ainda, mas já mudou a sua vida de uma forma indescritível!

Você faz o primeiro ultrassom, e não consegue acreditar como que aquela “bolinha” tão pequena, dentro de um saco gestacional minúsculo pode causar uma alteração hormonal gigantesca! As semanas vão passando, sua barriga crescendo, e a cada ultrassom e consulta a ficha começa a cair, você será mãe, e este bebê, que logo saberá se é menino ou menina, passa a se tornar cada vez mais “real”.

Com o passar do tempo, além das mudanças hormonais e alterações no corpo, inicia-se aquela fase deliciosa, onde sentimos as primeiros chutes e movimentos do bebê, e poucas semanas depois, os outros também já podem sentir. A essa altura sabemos o nome, provavelmente recebemos muitos mimos e presentes para o bebê, e começamos a preparar nossa casa para a chegada deste filho.

Surgem então os dilemas, entre fazer plano de parto, escolher se quer fazer cesárea, parto normal, humanizado, ir em busca de um hospital adequado para a sua demanda, além de ter que encontrar um obstetra que te acolha de braços abertos, indiferente da escolha de parto que você fizer.

A gestação vai chegando ao fim, chega a fase de preparar o enxoval, correr atrás de chá de bebê/fraldas, curtir seus últimos momentos antes do nascimento, montar o quarto. A barriga está grande e com ela vem muitas limitações, desconfortos, readaptações, afinal, coisas simples como amarrar os sapatos, podem se tornar bem complicadas diante daquele barrigão.

O sono já não é mais o mesmo, algumas dores passam a nos incomodar com maior frequência e a sensibilidade está a flor da pele. A ansiedade começa a bater na porta, e você não vê a hora de finalmente poder pegar seu filho nos braços, aquele momento lindo que assistimos em filmes e comerciais, tão sonhado e desejado durante todo este processo da gestação.

Chega o grande dia, e vocês está super feliz, se sentindo a mulher mais sensacional do mundo, pois em breve vai conhecer o grande amor da sua vida, e dará tudo certo porque você se preparou muito para tudo isso!

Ops, mas de repente, algo acontece, e você percebe que aquele parto lindo idealizado talvez não aconteça exatamente como planejou, ou sim, e tudo ocorre bem da maneira que deveria ser, no seu mundo encantado.

E após o nascimento, você percebe que a maternidade é linda, encantadora, apaixonante, desafiadora, mas MUITO assustadora e desesperadora em alguns momentos. E ai você se questiona: “Como eu posso estar sentindo tudo isso, e passando por essas dificuldades se eu me preparei tanto? Eu preparei o enxoval, estudei, fiz cursos de gestantes, li artigos, assisti diversos vídeos, sabia tudo sobre amamentação, o sono do bebê recém nascido, os primeiros 100 dias do bebê…”

Estamos falando de uma história, partindo do princípio de que durante a gestação praticamente tudo ocorreu da forma “perfeita” ou “ideal” até o momento do parto, ou logo após. Mas aí vem a realidade, o dia a dia, os desafios, a parte não tão romântica e linda da maternidade, o tal puerpério, e nos traz sensações e sentimentos até então não experimentados, e junto com isso tudo, vem o medo, a insegurança, a culpa, porque na teoria você sabia de tudo, mas na prática as coisas parecem um pouco diferentes, e bem mais assustadoras.

Então surgem novos pensamentos: “Como faço para lidar com isso?”, “Cadê aquela maternidade linda e maravilhosa que a amiga postou?”, “E essa barriga aqui que continua do tamanho de quando eu estava com 6 meses de gestação”, “Se eu falar isso pra alguém será que vão achar que não estou gostando de ser mãe?”, “Podemos falar desse lado nem tão mágico e encantador assim?”.

Nos sentimos perdidas, sem apoio, e sem saber para onde correr, aquele mesmo bebê que nos faz sentir a mulher mais especial do mundo, que nos transforma a maneira de ver a vida, também nos proporciona momentos dificílimos, desagradáveis, desanimadores, de dor, sofrimentos, e angústias. E nem por isso, a maternidade deixa de ser maravilhosa. Apenas passamos a aceitar suas duas faces, suas dores e delícias.

E é neste ponto que queria chegar, nos preparamos tanto para algumas coisas, e tão pouco para as mudanças e desafios que teremos após o nascimento do bebê. Criamos expectativas, sonhos, idealizamos muitos momentos que infelizmente acabam não acontecendo, ou ocorrem de forma muito diferente do idealizado.

Temos o dever de falar sobre esse lado, de informar outras mães, para que quando passarem por isso, saibam que não estão sós, e que como tudo na maternidade, são fases, umas melhores, outras piores, mas todas passam. E essa rede de apoio, faz toda diferença. Por isso, apoie, acolha o sofrimento alheio, seja empático, não julgue, colabore, seja gentil!

Resumindo:

Viver a maternidade é vivenciar diariamente um duelo interno de emoções, é aprender que não temos controle de absolutamente nada, e que muitas vezes vamos nos surpreender positiva ou negativamente com coisas pelo qual nem esperávamos. Mas acima de tudo, é superar estes momentos, e ter a certeza de que mesmo assim, cada segundo valeu a pena, e mais, os aprendizados que vamos adquirindo ao longo do caminho, nos fazem crescer ainda mais!

Se você se identificou com este artigo, deixa seu comentário aqui, e me conta como tem sido sua experiência! 😉

Sobre o Autor
  • Ana Paula Petry

    Mãe do Pietro e da Laura, Psicóloga, Coach de mães, idealizadora do Gestando e Aprendendo, extremamente apaixonada e encantada pelo universo da maternagem, e agora, editora do Licença Maternidade. Ana Paula atua com psicoterapia, rodas de conversa, grupos de apoio emocional, workshops, cursos de pais e gestantes, coaching individual e em grupo, tudo voltado para mães.

Compartilhar Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Compartilhar no Pinterest
Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentários
  • Camila - 04/10/2017

    Estou na fase do inicio, e estava me achando fora da caixinha...são muitos sentimentos ao mesmo tempo de tirar o sono...muitos medos e inseguranças de nos fazer achar q não vamos dar conta e foi o q vc falou se comentarmos com alguem é capaz de achar q não estamos felizes com a noticia, mais estamos e muito. Tenho certeza q outras fases virão e não serão diferentes mais q sempre, sempre vai valer a pena

    Responder
    • Ana Paula Autor - 05/10/2017

      Camila, isso é muito mais comum do que você imagina! Não precisa se sentir nenhum ET por isso ta hehe, você é mais uma como taaaantas outras que passam por todas essas inseguranças e angústias! Mas fique tranquila que com o tempo as coisas vão melhorando! Precisando, conte com a gente! ;)

      Responder
  • Francielle - 04/10/2017

    Adorei e me identifiquei muito, realmente ninguém fala nada sobre a parte difícil da maternidade, o único Conselho que escutei foi: aproveite pra dormir enquanto pode, mas ninguém conta como as primeiras noites noites são exaustivas, todos falam que a amamentação é o momento mais intenso e realmente concordo é muito bom poder alimentar o ser que depende de vc pra tudo, mas não falam sobre a dor até que o seio fique "calejado", enfim se tivesse uma divulgação maior talvez esses primeiros dias não seriam tão assustadores, por mais que na prática sempre e diferente, poderíamos ter uma ideia do que esperar.. minha filha era muito nervosa, chorava com todas as forças pra uma simples troca de fralda, banho então era um escândalo sem fim, e se a gente reclama pra alguém ja acham que vc está sofrendo depressão pós parto.. enfim gostei muito do texto me vi em diversos momentos citados..

    Responder
    • Ana Paula Autor - 05/10/2017

      Francielle, obrigada por compartilhar sua vivência com a gente! :) Realmente a maternidade real, e o lado B precisam ser mais discutidos. O que acontece é que muitas vezes acabamos sendo mal interpretados, achando que estamos querendo desencorajar ou tocar o terror nas gestantes por falar deste lado não tão mágico da maternidade. Sendo que é exatamente o contrário, é apenas uma discussão importante, para que as mães estejam mais preparadas para o que pode vir a acontecer, mesmo que talvez não aconteça, pelo menos elas não criam uma ilusão de maternidade de propaganda de revista rsss...

      Responder
  • Mariana Woj - 17/09/2017

    Como sempre muito querida Ana. Não precisava nem pedir, o texto é seu! Parabéns pelo belo trabalho que faz apoiando e desmitificando a maternidade. Adoro seus textos e observações! Ah, e obrigada por sempre me ajudar com a Babies! beijos

    Responder
    • Ana Paula Autor - 18/09/2017

      Mari, é um prazer contribuir com a Babies, eu adoro! :) E mais uma vez, obrigada pelo seu carinho!

      Responder
  • Danielle - 15/09/2017

    Eu amo esse texto e tudo que se refere a esse tema. Eu que sou mamãe de primeira viagem, já tinha ouvido alguns assuntos sobre a maternidade real mas muito pouco dentro da realidade, então quando chegou minha vez foi muito surpreendente. Vi que nada daquela maternidade linda que me contavam eu estava vivenciando. Não tive o amor a primeira vista, como muitas mamães tinham, então me sentia mais péssima ainda. Claro que quanto mais o tempo passa a gente passa a amá-las cada vez mais. Mas é muito importante ter alguém para falar sobre esses assuntos, pois muitas mamães assim como eu se acham um Et por não conseguir sentir esse sentimento avassalador que todos falam. As barreiras precisam ser quebradas, e mamães precisam entender que não estão só, não é somente elas que estão passando por esse momento, mas que todaaaa mamãe passa. E que o lema vai passar existe sim, sei que demora, mas passa hahaha. Ana obrigada por seus textos tão inteligentes e úteis para nossas vidas! ❤️

    Responder
    • Ana Paula Autor - 15/09/2017

      Dani, minha querida! Que lindo ler um comentário verdadeiro como esse! Obrigada por abrir seu coração e compartilhar isso conosco! De fato, você não é a única que passa por isso, a história de que quando nasce uma mãe, nasce o amor incondicional é um mito, o amor se constrói, e as vezes pode demorar mais do que imaginamos, e tudo bem, ninguém é menos mãe por isso! ;) Conte comigo sempre que precisar! :) Como mães, precisamos servir de apoio umas as outras! Bjsss

      Responder
  • Samanta - 14/09/2017

    O mais interessante pra mim, enquanto mãe, foi aprender a libertar-se do conceito de controle, de achar que as mães tem esse poder, porque não o tem. Quando conseguimos nos livrar disso, tudo flui e o dilema expectativa X realidade nem nos afeta tanto assim pois percebemos o quanto a naturalidade da vivência como um todo é que mais vale. Parabéns pelo texto amiga!

    Responder
    • Ana Paula Autor - 15/09/2017

      Amiga querida, na realidade esse é o primeiro, ou um dos primeiros aprendizados que temos quando nos tornamos mães, não é mesmo? :) E para boas controladores como éramos hehehe, é um tapa na cara, e um choque de realidade. Mas esses ensinamentos que a vida nos dá, só nos faz amadurecer e ver o quanto o falso controle de tudo, é ruim e prejudicial, isso a maternidade me ensinou BEM ensinado! hahaha Obrigada pelo comentário, Sa!

      Responder
  • Francielle Mendes de Simas - 14/09/2017

    Ótimo texto...o que me ajudou muito nesse período foi ter na cabeça o que eu queria de verdade...pesquisei muito...li vi vídeos e nunca me deixei imaginar que seria fácil e perfeito... mas que tudo eram fases e logo passaria... foi muito bom ... tem sido muito bom... tanto que já quero mais um. 😊

    Responder
    • Ana Paula Autor - 15/09/2017

      Francielle, muito bacana o que você fez. Uma coisa é fato, quanto mais pesquisamos e entendemos sobre maternidade real, mais diminuímos nossas expectativas, e acaba se tornando mais leve ne! :)

      Responder
  • Cibele - 12/09/2017

    Oi Ana!!! Achei super bacana seu texto. Acredito que uma rede de apoio a outras mães, principalmente as de primeira viagem como eu (estou com 12 semanas :) ), é fundamental. Estou nessa fase de buscar informações, ler artigos interessantes como este, me inscrever em canais, participar de encontro de gestantes, enfim, de me "preparar"; mas fiquei refletindo um pouco sobre esses desafios, momentos difíceis e das mudanças provocadas após o nascimento do bebê. Por favor, poderia escrever algum artigo (ou se já tiver, me indicar) sobre isso?! Desde já agradeço. Um forte abraço e sucesso sempre!!! ;) Cibele

    Responder
    • Ana Paula Autor - 18/09/2017

      Cibele, dá uma olhadinha neste artigo aqui que acabamos de publicar. Acredito que pode te ajudar muito também! :) http://www.licencamaternidade.com/relacionamento/um-bebe-no-meio-de-nos/#

      Responder
    • Ana Paula Autor - 15/09/2017

      Cibele querida, muito obrigada pelo seu comentário! Pode ficar tranquilíssima que aqui você encontrará muito conteúdo para o que você está buscando, muito mesmo rs... De várias áreas e especialidades, e diversos pontos de vista. Vou providenciar um artigo com o seu pedido, será um prazer! :) Ah, e antes de concluir, parabéns pelo baby que está a caminho! Que traga muitas transformações positivas na sua vida! Bjs

      Responder

Você também vai gostar

Continuar Lendo

[VÍDEO] Webaula – Alergia a Proteína do Leite de Vaca, APLV

Alergia alimentar é uma condição relativamente nova para todos, médicos, familiares, pais e crianças. Por isso que as condutas mudam sempre e se atualizam conforme vão aparecendo novos estudos. Os pais e familiares das crianças alérgicas precisam de apoio e informações claras. O reconhecimento e o diagnóstico ainda são difíceis, além disso, cada criança pode apresentar uma forma e intensidade diferente da APLV.

Continuar Lendo

[VÍDEO] Dicas para um desfralde tranquilo

O desfralde é uma fase delicada e tem que ser feito com alguns cuidados, para que ocorra da forma mais tranquila possível, e no tempo certo. Apesar de não ter uma idade ideal, os pais podem ficar atentos a alguns sinais, que demonstram se a criança está ou não preparada. Quer saber mais? Aperta o play!

NewsLetter

Você gestante, tentante ou simplesmente apaixonada pelo universo da maternidade? Então se inscreva aqui e receba gratuitamente nosso melhor conteúdo, preparado especialmente para você.

Licença Maternidade